QUER SER VOLUNTÁRIO OU NECESSITA DE VOLUNTÁRIOS NA SUA INSTITUIÇÃO?



CONTACTE-NOS!

QUEREMOS AJUDAR!


sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Utentes e convidados viveram uma festa especial de Natal na Clínica de Recuperação e Tratamento da Toxicodependência

Os utentes da Clínica de Recuperação e Tratamento da Toxicodependência (CRTT), de Carregal do Sal, viveram durante a tarde da passada quarta-feira, 17 de Dezembro, um dos momentos mais emotivos e mais felizes do seu internamento de recuperação.
Foram brilhantes protagonistas da primeira festa de Natal aberta à comunidade que a CRTT promoveu nos seus seis anos de funcionamento, surpreendendo os convidados especialmente convocados a assistir à festa, entre os quais se contavam de Cristina Borges, vereadora da Câmara Municipal de Carregal do Sal, Marília Pêga, chefe da Divisão de Acção Social do município, António Pinto, presidente da Freguesia de Currelos, Papízios e Sobral, e o pároco José Fernando Silva, assim como directores e técnicas da CRTT, um ex-utente com sucesso a nível de tratamento, inserido na sociedade local, e dois familiares de um utente internado.
Aquela pequena e específica assistência, de pouco mais de duas dezenas de presenças, certamente, tão depressa não esquecerá a força de vontade e o entusiasmo com que aqueles actores especiais se aplicaram e puderam demonstrar o grau de estabilidade física e emocional resultante do internamento e tratamento na CRTT.
As boas-vindas aos convidados e o agradecimento das presenças couberam à psicóloga Marta Santos, directora Clínica, tecendo ainda algumas considerações acerca da importância e da oportunidade da iniciativa.
A festa contou com a participação especial da jovem Beatriz Rito, de Cabanas de Viriato, no acompanhamento musical da maioria dos trechos do espectáculo que os utentes da CRTT interpretaram, preparado e ensaiado pela animadora sociocultural Catarina Pina.
“É Natal”, poema de Abranches d’Aguiar, declamado por Inocência Santos, foi o mote de abertura do espectáculo e do quadro do presépio ao vivo seguidamente encenado por um grupo de utentes, dando corpo às figuras de Nossa Senhora, de São José, do Anjo Gabriel e dos Reis Magos. A encenação da adoração ao Menino, deitado na manjedoura, teve, assim, peculiar encanto e rara beleza emocional.
Seguidamente, Teresa Neto, utente que nos tempos da sua juventude foi bailarina, espalhou emoção pela assistência com a declamação de um poema original de sua autoria, intitulado “Amor”, deixando perceber uma veia da sua personalidade intelectual. Disse neste excerto: «Tu, para mim, meu querido, és tudo o que há na vida, és o ar que eu respiro, o sangue que me corre nas veias, vida da minha vida, amor fiel de ternura e carinho, entreajuda, diálogo, dedicação e o tal desprendimento, que quando retribuído é sublime
Em nova intervenção, Inocência Santos mostrou que tem alma fadista na segurança com que cantou o fado “Senhor Natal”, que transmite uma mensagem forte de amor e loucura, e que o grande fadista António Severino imortalizou. Começa assim: «Roubei, mas quero devolver o roubo / Não me mande prender, eu vou contar / Era um homem honesto e do povo / E por meus filhos, tive de roubar.»
Poderosa, intuitiva e igualmente segura na mensagem que transmitiu, Cristina Silva mexeu com os sentimentos de cada um na declamação da “Carta da Doença”. A determinada altura, dizia a mensagem: «Eu sou traiçoeira, matreira e poderosa…Sou eu! Eu já matei milhões e estou satisfeita com isso! Eu confortei-te, não foi? Não fui eu que estive lá quando estavas sozinho?! Quando quiseste morrer, não me chamaste?!»
Foi nesse ambiente de estupefacção e emotividade que, já em final do espectáculo, Catarina Pina leu uma carta de Rui Pontes, utente ausente numa acção de formação externa, através da qual se associou ao espírito da festa. Foi também nessa altura que, a directora clínica da CRTT agradeceu à animadora sociocultural a preparação da festa, assim como a colaboração de Beatriz Rito e o desempenho dos utentes.
Por fim, os utentes, técnicas e colaboradoras fizeram coro para cantar “É Natal, é Natal”, juntando-se-lhes também, espontaneamente, a vereadora da autarquia e a chefe da Divisão de Acção Social. 
No final, cada convidado foi presenteado com a réplica de um presépio que os utentes elaboraram para o efeito, tendo então a directora clínica referido: “Com este presente, queremos que levem um pouco de nós para vossas casas”. 
Além disso, todos foram convidados para um lanche oferecido pela CRTT, o qual proporcionou um agradável momento de convívio e de partilha de afectos entre utentes, seus responsáveis e convidados.
Solicitado pelo “Defesa da Beira” a esclarecer por que a CRTT fez agora esta festa aberta à comunidade, o gerente Rui Cerdeira referiu que “era tempo de o fazer” e que aconteceu precisamente agora por a CRTT ter neste momento um “grupo de utentes estabilizado”, esclarecendo ainda que a abertura à comunidade pretende reforçar a imagem que a Clínica tem como instituição aberta à comunidade em termos de aconselhamento e orientação.

 Lino Dias

Amor
Mas que “AMOR”? – TODOS num só…
 .
“Amor é um fogo que arde sem se ver
É ferida que dói, e não se sente
É um contentamento descontente
É dor que desatina sem doer
 .
É um não querer mais que bem-querer
É um andar solitário entre a gente
É nunca contentar-se e contente
É um cuidar que ganha em se perder”…
 .
Como dizia o nosso grande poeta (CAMÕES), recordado a cada 10 de Junho

Amor, tantos conceitos, tanta abrangência na palavra mais simples e bonita, para exprimir a Paz sublime de quem se dá sem condições, a alguém ou aos outros. Até a um ideal…
Amor à pátria, amor fraternal, amora paternal e filial, amor à Arte, como a música, pintura, escultura, o canto e a dança, que exigem tanto esforço e dedicação, horas a fio, tal como aos outros, os doentes, como FLORENCE NIGHTINGALE, percurso da futura Cruz Vermelha, ou aos desfavorecidos, como MADRE TERESA DE CALCUTÁ, ou GHANDI, amor à natureza e aos animais, à criação.
Sem Amor a vida é desprovida de qualquer sentido.
Quem vive sem amor é um morto-vivo. Mas amar exige dedicação, desprendimento, tolerância, amores tantas vezes maltratados e esquecidos, mas quando retribuídos, tão sublimes. A verdadeira amizade também é uma forma de amor. Contamos com poucas, mas também existem, dedicadas e amigas, sempre ao dispor, dispostas a ajudar. Assim se faz o Amor…
Pais que dariam a vida por seus filhos, filhos que tudo fazem para cuidar da velhice de seus pais, voluntários que cuidam de animais esquecidos e abandonados e também de seres humanos. O AMOR É TUDA NA VIDA, É O QUE A REGE E ORIENTA. Amor entre homem e mulher, que exige tanta dedicação. Tolerância, diálogo, entreajuda, amor feito de ternura e carinho que levam ao sexo amoroso.
Amar, e ser amado? Mesmo por um instante – talvez a ilusão do “paraíso na terra”… mas amar é darmo-nos, sem condições. Mesmo pelo preço do sofrimento, que as ilusões são…
Tu, para mim, meu querido, és tudo o que há na vida, és o ar que eu respiro, o sangue que me corre nas veias, vida da minha vida, amor fiel feito de muita ternura e carinho, entreajuda, diálogo, dedicação e o tal desprendimento, que quando retribuído é sublime. Tu, os animais, os que sofrem e precisam de ajuda, têm todo o meu amor. Também a Arte, a dedicação aos outros, aos meus pais, aos animais, à natureza, tudo o que é humano e nos rodeia é-me muito querido.
Maior amor é Aquele que atravessou os seus 33 anos de vida desprovida, a pregá-lo e a praticá-lo e que em nome desse Amor deu a Vida para salvar séculos e séculos de gerações – JESUS. “Pai perdoai-lhes porque não sabem o que fazem”.
Onde há paz e amor, aí habita Deus!
(Por Teresa Neto)
 .
Senhor Natal
Roubei, mas quero devolver o roubo
Não me mande prender, eu vou contar
Era um homem honesto e do povo
E por meus filhos, tive de roubar
.
Com três filhos pequenos, fiquei só
A mãe desapareceu sem mais voltar
Oiço os outros dizerem, temos dó
Mas eu é que trabalho p’ra lhes dar
.
Ganhava p’ra meus filhos, muito mal
E diz-me o mais velho, cheio de fé
Paizinho, vai pedir ao Pai Natal
Que passe pela nossa chaminé
.
Senhor, de sua casa então furtei
Brinquedos, para pôr nos sapatinhos
No dia de Natal eu só chorei
Mas dei grande alegria aos meus filhinhos
.
O bondoso senhor não me prendeu
E disse, venha todos os Natais
Não roube mais brinquedos, dou-lhos eu
Que os filhos não pagam erros dos pais
(cantado por Inocência Santos)
.
Carta da Doença
 Olá!!
Só para o caso de te teres esquecido de mim…
Eu sou a tua doença!
Eu odeio reuniões…
Eu odeio Poderes Superiores…
Eu odeio qualquer um que tenha um programa.
A todos os que se aproximam de mim, eu desejo morte e sofrimento.
Permite-me que me apresente:
Eu sou a doença da ADICÇÃO!
Eu sou traiçoeira, matreira e poderosa…
Sou eu!
Eu já matei milhões e estou satisfeita com isso!
Eu confortei-te, não foi?
Não fui eu que estive lá quando estavas sozinho?!
Quando quiseste morrer, não me chamaste?!
Eu estava lá… e eu adoro magoar-te!
Eu adoro fazer-te chorar.
Melhor ainda, eu adoro tornar-te tão entorpecido que não consigas nem sofrer nem chorar!
E quando já não conseguires sentir coisa alguma…
Isso é verdadeiramente gratificante para mim!
E tudo o que te peço é um longo sofrimento.
Eu sempre estive lá por ti!
Quando a tua vida corria bem, tu convidaste-me,
Disseste que não merecias coisas boas na tua vida!?
As pessoas não me levam a sério!
PARVOS!
Sem a minha ajuda, estas coisas não seriam possíveis.
Eu sou uma doença tão odiosa, e no entanto, eu nunca apareço sem ser convidada!
Tu escolheste ter-me!
Tantos escolheram ter-me a mim, em vez da realidade e da paz!
Mais do que tu me odeias, eu odeio todos os que têm um programa de 12 passos.
O vosso programa, as vossas reuniões, o vosso Poder superior…
Todas essas coisas me enfraquecem e eu não consigo funcionar do modo a que estou acostumada!
 .
Agora devo deitar-me aqui quietinha.
Tu não me vês, mas eu estou a crescer, maior do que antes.
Basta tu existires para eu poder viver.
Mas eu estou lá…
E até nos encontrarmos outra vez,
Eu desejo morte e sofrimento.
Pensei em partilhar isto…
Lembrando-nos a todos que precisamos de continuação…
(declamado por Cristina Silva)

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Efeito aditivo

O pequeno filme "Nuggets", da Bilder Film, explica melhor que nunca quais as consequências da droga e do seu efeito aditivo.
Uma animação extremamente simples, sem efeitos especiais, sem muitas cores e sem diálogo, mas que tem uma mensagem muito forte por trás.

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Vaso com flores de papel


Este trabalho é fruto da nossa alegria e bem estar por estarmos em tratamento e recuperação na CRTT. 
Foi graças ao companheirismo e amizade, e cada um carregando a sua história de vida, que juntos realizámos este simbólico trabalho, mostrando assim a todos que somos capazes de construir uma vida diferente, vencendo os nossos problemas com sobriedade. 
A pergunta poderia ser: "Isto é fácil?!" 
- Não. Tudo exige empenho, dedicação... Depois de uma vida tão difícil e atribulada acreditamos que somos capazes de vencer os problemas do dia a dia com a ajuda de todos. 
Talvez sozinhos nunca conseguiríamos fazer algo tão simples como este trabalho, mas todos juntos conseguimos aquilo que sozinhos não somos capazes. 
Crer é poder... Se pensas é sinal que existes!

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Sou mais EU - 11ª semana




















Comemorações do Dia Mundial da Música

Realizou-se no dia 01-10-2014 a comemoração do Dia Mundial da Música na CRTT com a convidada especial Beatriz Rito que se fez acompanhar pela sua guitarra e nos presenteou com música ao vivo.
E a música é o som dos sentimentos...
Em nome de todos os utentes da CRTT, o nosso obrigada!